Vídeos

Loading...

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

17 frases ridículas que pessoas negras estão acostumadas a ouvir ditas às pessoas brancas Leia a matéria completa em: 17 frases ridículas que pessoas negras estão acostumadas a ouvir ditas às pessoas brancas

Quanto se inverte as coisas o a racismo fica mais evidente. 
Por  e pesquisa realizada com o auxílio de Alcides Lima De Lima Jr e Mariana Benedito.
Frases ridículas que pessoas negras estão acostumadas a ouvir


1. “Eu não sou racista, até tenho amigas brancas”.

2. “Não tenho preconceito, eu tinha um amigo branco na infância que até comia na minha casa… “

3. “Você acha que tem preconceito contra branco no Brasil?”

4. “Como você fez pro seu cabelo ficar assim?”

5. “Brancão sempre tem um p** enorme, né?”

6. “Sempre quis saber como é uma branca na cama”.

7. “Você já pensou em ser passista de escola de samba?”

8. “Você é um branco bonito, não tem os traços tão fortes, sabe?”

9. “Mas ele é um branco de alma negra!”

10. “Que cor branca interessante você tem!”

11. “Branco tem mania de perseguição”.

12. “Seus pais também são brancos?”

13. “Eu não sou racista, tinha uma funcionária/empregada branca em casa, todos adoravam ela, uma fofa.”

14. “Tinha que ser branco!”

15. “Eu até já peguei uma branquinha”

16. “Você deve gostar de morena. Né, brancão?”

17. “Não sou teus brancos



Conteúdo consta no site: Portal Géledes

Parque Memorial Quilombo dos Palmares

Passeio virtual

Primeiro equipamento do gênero no País, o Parque Memorial Quilombo dos Palmares reconstitui o cenário de uma das mais importantes histórias de resistência à escravidão ocorridas no mundo: a história do Quilombo dos Palmares – o maior, mais duradouro e mais organizado refúgio de negros escravizados das Américas. Nele, reinou Zumbi dos Palmares, o herói negro assassinado em 20 de novembro de 1695, data em que se comemora o Dia Nacional da Consciência Negra.
Fruto de uma luta de mais de 25 anos do Movimento Negro brasileiro, o Memorial foi implantado em 2007 pelo Ministério da Cultura, por meio da Fundação Cultural Palmares,  no território original da longa e sangrenta batalha – a Serra da Barriga, para cujas matas milhares de negros escravizados rebelados fugiram durante o período de dominação holandesa. Para difundir este capítulo da história do Brasil, a Fundação Palmares preparou um passeio virtual pelo único parque temático cultural afro-brasileiro.
Fonte: Fundação Palmares