Vídeos

Loading...

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Afro Circo se prepara para estrear “Gênesis” - Revista Afro

Afro Circo se prepara para estrear “Gênesis” - Revista Afro

Livro mostra a força das religiões afro no Rio Grande do Sul - Revista Afro

Livro mostra a força das religiões afro no Rio Grande do Sul - Revista Afro

Racismo é o crime mais comum das redes sociais, diz pesquisa - Revista Afro

Racismo é o crime mais comum das redes sociais, diz pesquisa - Revista Afro

Rosa Parks: costureira que lutou contra o racismo nos EUA ganhará uma estátua no congresso - Revista Afro

Rosa Parks: costureira que lutou contra o racismo nos EUA ganhará uma estátua no congresso - Revista Afro

Primeiro negro na presidência do TST afirma: 'sociedade brasileira é racista' - Revista Afro

Primeiro negro na presidência do TST afirma: 'sociedade brasileira é racista' - Revista Afro

Culinária Afro-brasileira

Culinária Afro-Brasileira

O negro introduziu na cozinha o leite de coco-da-baía, o azeite de dendê, confirmou a excelência da pimenta malagueta sobre a do reino, deu ao Brasil o feijão preto, o quiabo, ensinou a fazer vatapá, caruru, mungunzá, acarajé, angu e pamonha.

A cozinha negra, pequena mas forte, fez valer os seus temperos, os verdes, a sua maneira de cozinhar. Modificou os pratos portugueses, substituindo ingredientes; fez a mesma coisa com os pratos da terra; e finalmente criou a cozinha brasileira, descobrindo o chuchu com camarão, ensinando a fazer pratos com camarão seco e a usar as panelas de barro e a colher de pau.

Milagre para o governador tomar sopa

O primeiro negro pisou no Brasil com a armada de Martin Afonso. Negros e mulatos (da Guiné e do Cabo Verde) chegaram aqui em 1549, com o Governador Tomé de Souza, que comia mal e era preconceituoso: entre outras coisas, não admitia sopa de cabeça de peixe, em honra a São João Batista.

Bem que o Padre Nóbrega tentou convencê-lo de que era bobagem, mas Tomé de Souza resistiu, até que o jesuíta mandou deitar a rede ao mar e ela veio só cabeça de peixe, bem fresca e o homem deixou a mania, entrou na sopa.

Da guiné vieram, principalmente, fulas e mandingas, islamitas e gente de bem comer. Os fulas eram de cor opaca, o que resultou no termo “negro fulo” (entrando depois na língua a expressão “fulo de raiva”, para indicar a palidez até do branco). Os mandingas também entraram na língua como novo sinônimo para encantamentos e artes mágicas. Mas os iorubanos ou nagôs, os jejes, os tapas e os haussás, todos sudaneses islamitas e da costa oeste também, fizeram mais pela nossa cozinha porque eram mais aceitos como domésticos do que a gente do sul, o povo de Angola, a maioria de língua banto, ou do que os negros cambindas do Congo, ou os minas, ou os do Moçambique, gente mais forte, mais submissa e mais aproveitada para o serviço pesado.

O africano contribuiu com a difusão do inhame, da cana de açúcar e do dendezeiro, do qual se faz o azeite-de-dendê. O leite de coco, de origem polinésia, foi trazido pelos negros, assim como a pimenta malagueta e a galinha de Angola.

Abará

Bolinho de origem afro-brasileira feito com massa de feijão-fradinho temperada com pimenta, sal, cebola e azeite-de-dendê, algumas vezes com camarão seco, inteiro ou moído e misturado à massa, que é embrulhada em folha de bananeira e cozida em água. (No candomblé, é comida-de-santo, oferecida a Iansã, Obá e Ibeji).

Aberém

Bolinho de origem afro-brasileira, feito de milho ou de arroz moído na pedra, macerado em água, salgado e cozido em folhas de bananeira secas. (No candomblé, é comida-de-santo, oferecida a Omulu e Oxumaré).

Abrazô

Bolinho da culinária afro-brasileira, feito de farinha de milho ou de mandioca, apimentado, frito em azeite-de-dendê.

Acaçá

Bolinho da culinária afro-brasileira, feito de milho macerado em água fria e depois moído, cozido e envolvido, ainda morno, em folhas verdes de bananeira. (Acompanha o vatapá ou caruru. Preparado com leite de coco e açúcar, é chamada acaçá de leite.) [No candomblé, é comida-de-santo, oferecida a Oxalá, Nanã, Ibeji, Iêmanja e Exu.]

Ado

Doce de origem afro-brasileira feito de milho torrado e moído, misturado com azeite-de-dendê e mel. (No candomblé, é comida-de-santo, oferecida a Oxum).

Aluá

Bebida refrigerante feita de milho, de arroz ou de casca de abacaxi fermentados com açúcar ou rapadura, usada tradicionalmente como oferenda aos orixás nas festas populares de origem africana.

Quibebe

Prato típico do Nordeste, de origem africana, feito de carne-de-sol ou com charque, refogado e cozido com abóbora.
Tem a consistência de uma papa grossa e pode ser temperado com azeite-de-dendê e cheiro verde.

Culinária Afro-Brasileira

A escravidão deixou marcas indeléveis, em sua grande maioria negativas, na trajetória socioeconômica do Brasil. No que diz respeito ao legado cultural, porém, uma das heranças mais importantes da inserção dos negros na sociedade está na gastronomia.

A influência africana na dieta do brasileiro possui dois aspectos. O primeiro diz respeito ao modo de preparar e temperar os alimentos. O segundo, à introdução de ingredientes na culinária brasileira.

A condição de escravo foi determinante para explicar como a técnica culinária dos africanos desenvolveu-se no Brasil. Tendo sido aprisionados na África e viajado em péssimas condições, os negros não traziam consigo nenhuma bagagem, muito menos ingredientes culinários.

Isso reforçou a necessidade da improvisação para alimentarem-se no novo território, que, por sua vez, tinha uma estrutura ainda pouco eficaz. A própria elite tinha de importar vários gêneros.

Nos engenhos de açúcar, para onde foram levados, as cozinhas eram entregues às negras, pois, no começo, os colonizadores vieram sem suas mulheres. Responsáveis pela alimentação dos senhores brancos e com a necessidade de suprir sua própria demanda, os negros passaram a adaptar seus hábitos culinários aos ingredientes da colônia.

Na falta do inhame, usaram a mandioca; carentes das pimentas africanas, usaram e abusaram do azeite-de-dendê, que já conheciam da África (as primeiras árvores vieram no começo do século 16). Adeptos da caça, incorporaram à sua dieta os animais a que tinham acesso: tatus, lagartos, cutias, capivaras, preás e caranguejos, preparados nas senzalas.

A cozinha africana privilegia os assados em detrimento das frituras. O caldo é um item importante, proveniente do alimento assado ou simplesmente preparado com água e sal. É utilizado na mistura com a farinha obtida de diversos elementos.

No Brasil, essa prática popularizou o pirão _já conhecido pelos índios_, mistura do caldo com farinha de mandioca e o angu (caldo com farinha de milho).
O modo africano de cozinhar e temperar incorporou elementos culinários e pratos típicos portugueses e indígenas, transformando as receitas originais e dando forma à cozinha brasileira.

Da dieta portuguesa vieram, por exemplo, as galinhas e os ovos. Em princípio, eram dados apenas a negros doentes, pois acreditava-se que fossem alimentos revigorantes. Aos poucos, a galinha passou a ser incluída nas receitas afro-brasileiras que nasciam, como o vatapá e o xinxim, e que resistem até hoje, principalmente nos cardápios regionais.

Da dieta indígena, a culinária afro-brasileira incorporou, além da essencial mandioca, frutas e ervas. O prato afro-indígena brasileiro mais famoso é o caruru. Originalmente feito apenas de ervas socadas ao pilão, com o tempo ganhou outros ingredientes, como peixe e legumes cozidos.

O acarajé, hit da cozinha afro-brasileira, mistura feijão-fradinho, azeite-de-dendê, sal, cebola, camarões e pimenta. A popular pamonha de milho, por sua vez, origina-se de um prato africano, o acaçá.

A vinda dos africanos não significou somente a inclusão de formas de preparo e ingredientes na dieta colonial. Representou também a transformação da sua própria culinária. Muitos pratos afro-brasileiros habitam até hoje o continente africano, assim como vários pratos africanos reinventados com o uso de ingredientes do Brasil, como a mandioca, também fizeram o caminho de volta.
No que se refere aos ingredientes africanos que vieram para o Brasil durante a colonização, trazidos pelos traficantes de escravos e comerciantes, esses constituem hoje importantes elementos da cultura brasileira. Seu consumo é popular e sua imagem constitui parcela importante dos ícones do imaginário do país.

Vieram da África, entre outros, o coco, a banana, o café, a pimenta malagueta e o azeite-de-dendê. Sobre este, dizia Camara Cascudo: “O azeite-de-dendê acompanhou o negro como o arroz ao asiático e o doce ao árabe”. No Nordeste, são também populares o inhame, o quiabo, o gengibre, o amendoim, a melancia e o jiló.
 
Texto extraído do site:

Raça Brasil | 10 mulheres negras de destaque - Políticas, modelos, jornalistas, artistas... Seja qual for a profissão, elas influenciaram a sociedade por suas atitudes ou pioneirismo

Raça Brasil | 10 mulheres negras de destaque - Políticas, modelos, jornalistas, artistas... Seja qual for a profissão, elas influenciaram a sociedade por suas atitudes ou pioneirismo

Raça Brasil | Novos parâmetros de uma velha história

Raça Brasil | Novos parâmetros de uma velha história

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Escola Estadual Quilombola Maria Joana Ferreira

ESCOLA ESTADUAL QUILOMBOLA MARIA JOANA FERREIRA  

Já à alguns anos venho estudando as questões étnico-raciais, principalmente nas escolas públicas, que é onde eu atuo no Município de Ponta Grossa. Por isso quero aqui falar sobre uma escola que apesar de todas as dificuldades de estrutura, já que está  funcionando provisoriamente em prédio cedido pela Prefeitura Municipal de Palmas,PR, enquanto aguarda a construção da sede própria, bem como de apoio institucional dos órgãos competentes, vem fazendo um belo trabalho na educação ,tendo alcançado o Segundo melhor IDEB do munícipio, podendo ser vizualizado no link: http://ideb.inep.gov.br/resultado/, principalmente pelo trabalho realizado por toda a comunidade e também pelos professores e funcionários, em especial pela grande determinação da professora-pedagoga Maria Isabel Cabral da Silva, quilombola como tantos outros da comunidade que trabalha na escola, uma guerreira na luta por melhorias para a escola e para os alunos da comunidade e também em especial na questão étnica, visto que se trata de uma escola quilombola, fincada em todas as suas tradiçoes culturais, onde a Escola nasceu pela insistente luta das Comunidades Quilombolas Adelaide Maria da Trindade Batista (Rocio) e Castorina Maria da Conceição (Fortunato) do Município de Palmas/Pr, especificamente pela luta da professora aposentada e líder da comunidade Quilombola, Maria Arlete Ferreira. O pedido da escola foi por meio do oficio, encaminhado ao Sr. Vagner Roberto do Amaral, responsável pelo departamento das Diversidades da Secretaria do Estado da Educação – SEED do Estado do Paraná. O oficio foi assinado por lideranças das Comunidades Quilombolas. A Escola Estadual Quilombola Maria Joana Ferreira está atendendo 157 alunos de 5ª a 8ª séries, nos períodos matutino e vespertino, oriundos dos bairros próximos. No contra turno é ofertado Sala de Apoio e o Projeto 2º Tempo com atividade esportivas e culturais, com destaque para o Grupo de Capoeira.
A Escola busca o resgate da cultura afro descendente e a construção dos aspectos históricos das Comunidades Quilombolas locais. 

PARA MAIS INFORMAÇÕES SOBRE A ESCOLA E A COMUNIDADE QUILOMBOLA, ACESSE:



 

Urgências na educação das comunidades quilombolas

Urgências na educação das comunidades quilombolas

Por Maria Auxiliadora Lopes

O preconceito racial existente na sociedade brasileira tem dificultado a realização de estudos sobre as condições socioeconômicas e culturais dos diferentes grupos étnicos que compõem a população do país. Em decorrência desse fato, alguns grupos enfrentam problemas que determinam sua marginalização e o difícil acesso aos benefícios sociais. Podemos citar, no enfrentamento deste quadro, as comunidades remanescentes de quilombos.

Para um melhor entendimento do que são os remanescentes de quilombos, o Decreto 4887/03 estabelece que: “Consideram-se remanescentes das comunidades dos quilombos os grupos étnico-raciais, segundo critérios de autoatribuição, com trajetória histórica própria, dotados de relações territoriais específicas, com presunção de ancestralidade negra relacionada com a opressão histórica sofrida”.

Segundo dados da Fundação Cultural Palmares (2010), existem, no Brasil, em todas as Unidades da Federação, exceto no Acre, em Roraima e em Brasília, 1.436 comunidades remanescentes de quilombos certificadas. Os estados com maior número de comunidades remanescentes de quilombos são Maranhão (318), Bahia (308), Minas Gerais (115) Pernambuco (93) e Para (85).

Partindo do princípio de que as comunidades remanescentes de quilombos possuem dimensões sociais, políticas e culturais significativas, com particularidades no contexto geográfico brasileiro, tanto no que diz respeito à localização, quanto à origem, considera-se a necessidade de ressaltar e valorizar as especificidades de cada comunidade, quando do planejamento de ações voltadas para o seu desenvolvimento sustentável.

Conforme o Relatório da Situação da Infância e Adolescência Brasileira, Unicef 2003, 31,5% das crianças quilombolas de sete anos nunca frequentaram bancos escolares; as unidades educacionais estão longe das residências e as condições de estrutura são precárias, geralmente as construções são de palha ou de pau a pique; poucas possuem água potável e as instalações sanitárias são inadequadas. O acesso à escola para estas crianças é difícil, os meios de transporte são insuficientes e inadequados e o currículo escolar está longe da realidade destes meninos e meninas. Raramente os alunos quilombolas vêem sua história, sua cultura e as particularidades de sua vida nos programas de aula e nos materiais pedagógicos. Os professores não são capacitados adequadamente, o seu número é insuficiente para atender a demanda e, em muitos casos, em um único espaço há apenas uma professora ministrando aulas para diferentes turmas.

A questão da terra tem sido o principal obstáculo à implementação de políticas públicas destinadas às comunidades remanescentes de quilombos e motivo de perpetuação dos históricos conflitos pela posse e uso da terra.

De acordo com o censo escolar realizado em 2009, nas Comunidades Remanescente de Quilombos existem 200.510 alunos que são atendidos por 10.001 professores, atuando em 1.693 escolas. Chama a atenção que 61,59% das matrículas estão concentradas na Região Nordeste.

Pesquisas realizadas pelo Ministério da Educação, no exercício de 2008, em escolas localizadas nas comunidades remanescentes de quilombos, em municípios dos estados da Bahia, do Maranhão e de Minas Gerais apontam a necessidade da implementação de políticas públicas para estas comunidades. Apresentamos algumas recomendações que devem balizar o trabalho de educação nas comunidades:

1. Revisar a perspectiva ideológica da formulação de currículos, respeitando os valores culturais dos alunos da comunidade;

2. Atualizar regularmente o Censo Escolar com dados sobre alunos, professores e prédios das comunidades remanescentes de quilombo;

3. Criar Unidade Executora nos estabelecimentos escolares para que professores, alunos e pais possam participar da decisão da execução do Programa Dinheiro Direto na Escola, onde isso for possível;

4. Criar e manter mecanismos de aquisição de gêneros alimentícios, oriundos da própria comunidade quilombola, respeitando os hábitos alimentares, além da viabilização do transporte destes gêneros alimentícios até as escolas;

5. Fomentar a participação de representantes das comunidades quilombolas nas instituições que realizam o controle social, como o Conselho do FUNDEF, o Conselho da Alimentação Escolar e outros;
6. Orientar gestores, diretores, professores, servidores em geral na elaboração do PPP das escolas;

7. Oferecer aos professores cursos de formação inicial e continuada relacionados à Educação das Relações Étnico-raciais, de forma regular, face ao desconhecimento, comprovado nesta pesquisa, da Resolução nº1/2004 e do Parecer 03/2004;

8. Rever a estratégia de produção (tiragem) e de distribuição do material didático produzido pelo SECAD/MEC sobre a temática, para que realmente alcance o objetivo de chegar a todas as escolas das comunidades remanescentes de quilombos do Brasil.

As políticas de promoção da igualdade racial são meios eficazes de eliminar as taxas de desigualdade, pois uma educação de qualidade nas escolas quilombolas pode ser o passo principal para o respeito e valorização das identidades culturais do Brasil, de acordo com o Parecer CNE/CP nº 03, de 10 de março de 2004, e a Resolução (CNE/CP) nº 01, de 17 de junho de 2004.

Maria Auxiliadora Lopes é graduada em Pedagogia e História e Mestre em Educação. Desde 2003, trabalha na SECAD/MEC na área de políticas públicas, exercendo atividades de planejamento, elaboração, avaliação e acompanhamento de projetos, em especial voltados para a educação das relações étnico-raciais
Artigo extraído do site  A cor da Cultura, no link abaixo: 

Entidade divulga carta de repúdio contra tentativa de barrar feriado da Consciência Negra - Vida e Cidadania - Gazeta do Povo

Entidade divulga carta de repúdio contra tentativa de barrar feriado da Consciência Negra - Vida e Cidadania - Gazeta do Povo

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

PEABED - Periódico de Estudos Afro-Brasileiros e Diversidade: E-Book: O Negro nos Espaços Publicitários Brasilei...

PEABED - Periódico de Estudos Afro-Brasileiros e Diversidade: E-Book: O Negro nos Espaços Publicitários Brasilei...: Livro:  O Negro nos Espaços Publicitários Brasileiros - BATISTA e LEITE (Orgs), 2011. Para ter acesso ao livro   CLIQUE AQUI Fru...

PEABED - Periódico de Estudos Afro-Brasileiros e Diversidade: Nomenclaturas - Glossário Relações Raciais

PEABED - Periódico de Estudos Afro-Brasileiros e Diversidade: Nomenclaturas - Glossário Relações Raciais: Nomenclaturas - Glossário Relações Raciais -  CLIQUE AQUI

PEABED - Periódico de Estudos Afro-Brasileiros e Diversidade: Personalidades Negros/as do Brasil

PEABED - Periódico de Estudos Afro-Brasileiros e Diversidade: Personalidades Negros/as do Brasil: Veja várias personalidades Negras e Negros do Brasil. CLIQUE AQUI

PEABED - Periódico de Estudos Afro-Brasileiros e Diversidade: Literatura Afro-Brasileira - Autores

PEABED - Periódico de Estudos Afro-Brasileiros e Diversidade: Literatura Afro-Brasileira - Autores: Literatura Afro-Brasileira - Índice de autores - CLIQUE AQUI

PEABED - Periódico de Estudos Afro-Brasileiros e Diversidade: Legislações sobre relações raciais

PEABED - Periódico de Estudos Afro-Brasileiros e Diversidade: Legislações sobre relações raciais: Para saber mais informações sobre legislações sobre relações raciais CLIQUE AQUI

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

UNEGRO/PARANÁ: Um princípio da ação afirmativa na novela Lado a l...

UNEGRO/PARANÁ: Um princípio da ação afirmativa na novela Lado a l...: Por Cidinha da Silva publicado: www.cidinhadasilva.blogspot.com Antes de o comparsa de Caniço (Marcello Melo Junior) atear fogo na escola ...

UNEGRO/PARANÁ: Pesquisa aponta: 81% da população aprova a criação...

UNEGRO/PARANÁ: Pesquisa aponta: 81% da população aprova a criação...: Pesquisa fonte: gazeta do povo No início de fevereiro,  o instituto Paraná Pesquisas realizou um levantamento  sobre o tema em Curitiba...

UNEGRO/PARANÁ: Entidades protestam em Campinas (SP) contra ordem ...

UNEGRO/PARANÁ: Entidades protestam em Campinas (SP) contra ordem ...: Vinte e duas entidades representativas do movimento negro realizaram neste domingo (17) no Parque Taquaral, área nobre de Campinas (93 km de...